quinta-feira, 29 de julho de 2010

Citações de Paulo Freire

Olá companheiros(as)

Gostaria de postar aqui algumas citações de Paulo Freire no livro Pedagogia da Autonomia, sobre a necessidade dos professores e trabalhadores em educação lutarem pela defesa e conquistas de direitos. É uma análise interessante, em que busca destruir uma visão fatalista de alguns colegas que encontramos em algumas escolas. Dêem uma lida:

"A luta dos professores em defesa de seus direitos e de sua dignidade deve ser entendida como ummomento importante de sua prática docente, enquanto práticaética. Não é algo que vem de fora da atividade docente, mas é algo que dela faz parte." (p. 74)

"Uma das formas de luta contra o desrespeito dos poderes públicos pela educação, de um lado, é a nossa recusa a transformar nossa atividade docente em puro bico, e de outro, a nossa rejeição a entendê-la e a exercê-la como prática afetiva de 'tias e tios'" (p. 75)

Gostaria de aproveitar para citar uma frase de um de meus artigos: "Ao educador, não basta ensinar no papel o que é democracia, dissertar sobre as suas maravilhas e necessidades. O mais importante é garantir a sua praticidade, ao colocá-la em ação. Ao lutar por seus direitos, os educadores dão uma verdadeira aula prática sobre participação democrática, algo que seus alunos irão aprender como lição para a vida. Sem essa prática, e ao se entregar ao fatalismo nestas horas, é ser contraditório como seu próprio repertório em sala de aula."

Combate ao Preconceito

Olá companheiros(as)

Gostaria de postar aqui um vídeo da Apeoesp (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de São Paulo). Ele fala sobre as ações dos movimentos sindicais no combate ao preconceito racial, sexual, etc. Dêem uma olhada:

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Novas notícias da inauguração da subsede de Caxambu

Olá companheiros(as)

Saiu no portaldo Sind-UTE/MG a noticia na inauguração da subsede de Caxambu. Segue a nota:

Subsede Caxambu inaugura sede

No dia 18 de julho último, o Sind-UTE/MG comemorou a inauguração de mais uma subsede, desta vez em Caxambu, sul de Minas. A subsede foi criada em Assembleia realizada no último dia 05 de junho e referendada no Conselho Geral, realizado no dia 13 de julho.


Presente à inauguração, a coordenadora geral do Sind-UTE/MG Beatriz Cerqueira, ressaltou que a criação de uma nova subsede na região representa um importante ato de organização da categoria no sul de Minas. "Os/as trabalhadores/as de Caxambu, São Lourenço, Conceição do Rio Verde e outras cidades se mobilizaram e participaram ativamente da greve, constituíram fortes comandos de paralisação e demonstraram muita disposição para a luta. Esta greve contou com a intensa participação do sul de Minas, e nada mais exitoso do que a inauguração deste espaço, que certamente será de muita luta e trabalho”, enfatizou Beatriz.

Já o coordenador da subsede Caxambu, Cássio Diniz, lembrou que a inauguração do novo espaço vem num momento importante, com o intuito de reorganizar o movimento sindical que, segundo ele, estava de certa forma apagado na região. “O sul de Minas definitivamente retoma seu papel político de organização, na luta e defesa dos direitos e interesses dos/as trabalhadores/as em Educação. Além disso, esperamos estimular outras categorias e segmentos, e até mesmo alunos, a participarem conosco de um novo momento político e democrático para o nosso sul mineiro”, disse.

A nova subsede está localizada à Rua Dr. Viotti, 190, Sala 201, Centro Caxambu.



Confiram no site do Sind-UTE/MG

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Inauguração da sala da subsede de Caxambu do Sind-UTE/MG

Olá Companheiros(as)

Gostaria de colocar algumas fotos da nossa subsede do Sind-UTE/MG (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais). Dêem uma olhada:

sábado, 17 de julho de 2010

Vídeo da CNTE

Olá Companheiros(as)

Gostaria que vocês assistissem um vídeo da CNTE sobre o Piso Salarial Nacional do Magistério. Dêem uma olhada:

quarta-feira, 14 de julho de 2010

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Democracia Participativa

Olá companheiros(as)

Faz tempo que não escrevo, não é? Os meus dias tem sido bastante complicado.
Para ter recompensar, apresento um vídeo muito legal que passei numa reunião aqui em Caxambu. É sobre democracia participativa. Dêem uma olhada:

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Comunicado do Sind-UTE/MG subsede Caxambu e região

Comunicado do Sind-UTE/MG subsede Caxambu e região

O Sind-UTE/MG convoca a categoria dos educadores para um ato público em defesa do reposicionamento por tempo de serviço.

O ato acontecerá no dia 13 de julho, às 14h, na Praça Afonso Arinos e contará também com a participação dos demais sindicatos dos servidores públicos.

No dia do ato está prevista a paralisação total das atividades e organização das caravanas do interior e da grande BH para pressionarem o governo mineiro, que está enrolando e ameaça não pagar o reposicionamento prometido e decretado em dezembro de 2009, que beneficiará pelo menos 170 mil servidores do estado de Minas.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Noticias do Sind-UTE/MG - subsede Caxambu e região

Olá companheiros(as)

Gostaria de postar aqui o comunicado de nossa luta durante esta semana, escrito pelo professor Ronan, o nosso novo coordenador de comunicação da subsede Caxambu e região. Lá vai:


Olá trabalhadores e trabalhadoras em educação,

Dias 22 e 23 de Junho são dias decisivos na nossa caminhada pela valorização salarial. Abaixo segue um quadro especificando os acontecimentos de ontem e apresentando as atividades do dia de hoje. A quem puder, ligar na TV Assembléia no período de 15H00min e à noite, por volta das 20H00min, pois provavelmente haverá flashes ao vivo informando o andamento das negociações.

01) Reunião com a comissão de greve
Logo pela manhã, por volta das 09H30min, foi realizada uma reunião entre a coordenação geral do SIND-UTE\MG, na pessoa de Beatriz Cerqueira, e os representantes das comissões de greve das sub-sedes. Nesta reunião foi repassado um documento (o qual segue em anexo a este e-mail) contendo 17 pontos-chave acerca das modificações ao projeto de lei proposto pelo governo.

02) Assembléia
Por volta das 15H00min teve início uma nova assembléia estadual dos trabalhadores (as) em educação no pátio da Assembléia Legislativa. Em seguida, a coordenadora geral Beatriz, mais a direção do SIND-UTE/MG, foram convocadas por representantes do governo para uma nova reunião a acontecer naquele momento no próprio prédio da Assembléia.

03) Reinício da Assembléia
Após duas horas de espera, a assembléia dos trabalhadores (as) foi retomada, sendo que as negociações tiveram certo avanço (como pode ser constatado no documento em anexo).

04) Votação
Em seguida a discussão de diversos pontos, sobretudo aqueles não-aceitos pelo governo, a assembléia decidiu pela não-rejeição total do projeto, mas pela mobilização e pressão permanentes para a inclusão de todas as 17 emendas no projeto-base (ver anexo).

Ao que tudo indica, a aprovação da categoria pelo texto-inicial do projeto é algo improvável, uma vez que ele não atende às necessidades de todos e torna confusa e incerta a carreira da categoria.
05) Mobilização permanente
Deste modo, a mobilização continua neste dia 23 de Julho, com novas rodadas de negociações e ocupação e pressão à ALMG por parte dos trabalhadores (as) em educação. Neste momento é importante o corpo-a-corpo que os trabalhadores (as) em educação fazem pelos gabinetes forçando os deputados a alterar o projeto de lei 4.689/10.

Ficamos, assim, mobilizados e aguardando os novos encaminhamentos da assembléia geral convocada para esta tarde.

Vale ressaltar alguns avanços, como o sinal positivo dado pelo governo à inclusão de uma data-base para reajustes anuais.

Continuemos mobilizados!

Atenciosamente,
Sind-UTE MG Subsede Caxambu

domingo, 20 de junho de 2010

Frase da Semana

.
"A mais bela
de todas as certezas
é quando os fracos
e desencorajados
levantam suas cabeças
e deixam de crer
na força
de seus opressores."
.
Bertold Brecht

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Olá Companheiros(as)

Voltamos mais uma vez de nossa viagem à Belo Horizonte, onde a caravana de nossa região participou da assembleia estadual dos trabalhadores em educação nesta quinta-feira. Nesta atividade debatemos em cima da proposta que o governo estadual apresentou no último dia 14 de junho e a nossa postura diante deste novo fato.

Primeira conclusão que tivemos é que o governo desrespeitou o calendário e a configuração de trabalho da comissão e, atropelando todo mundo, anunciou na mídia a proposta que o governo apresentaria para a próxima comissão no dia 15. Podemos ver diante disso a falta de compromisso deste governo.

Sobre a proposta em si, ele se baseia na criação do que chamam o subsídio, que englobaria todos os nossos penduricários, e estabelece um valor total da remuneração de acordo com a titulação de cada um. Ao mesmo tempo altera o nosso atual plano de carreira, estabelecendo novas carreiras e situações diferentes das existentes hoje. Para mais detalhes, dêem uma olhada na proposta governista em anexo.

Diante de tudo isso a direção estadual do Sind-UTE, junto com o comando geral de greve, que se reuniram na manhã do mesmo dia, tomou a postura de não rejeitar, mas também não aceitar totalmente a proposta do governo. Por quê:

• A política de subsídios já é uma realidade em vários estados do país;
• Os valores apresentados, apesar de representar um teto, estão diferenciados por níveis de titulação;
• Se formos intransigentes, voltaremos ao zero, e não avançaremos em conquistas, mesmo que parciais.
• Vários pontos da proposta podem ser mudados através de nossa nova etapa de luta que se iniciará agora.

Diante deste último ponto, a direção estadual, junto com o comando de greve, definiu a continuidade de nossa luta com o objetivo de mudança de importantes pontos da proposta que nos interessam. A nossa luta se centralizará em cinco pontos:

• Exigência da clareza, por parte do governo, na política de reajuste de subsídios da proposta, buscando reverter o congelamento de nossas remunerações e estabelecendo uma forma de data-base;
• Não ao aumento da jornada de trabalho de 30 horas, alterando o atual regime de 24 horas. Isso, além de ser contra uma importante reivindicação de redução de jornada, pode gerar desemprego em muitas escolas grandes;
• Não a qualquer alteração no nosso atual Plano de Carreira. O grande problema da categoria sempre foi a tabela salarial, e não o plano. Com as alterações propostas pelo governo, haverá o congelamento de nossas carreiras e sentiremos as conseqüências no futuro;
• Defesa do qüinqüênio de todos aqueles que têm direito a ele, ou uma política de compensação que não dê prejuízos ao servidor;
• Não a um reajuste somente em março de 2011. A nossa luta sempre foi para 2010 e não faz sentido este tosco adiamento. Reajuste já.

Bom, agora que a nossa luta vai voltar a esquentar. A assembleia aprovou uma série de encaminhamentos para os próximos dias, como também já marcou a próxima assembleia estadual que fará a vigília na ALEMG no dia que o projeto será debatido entre os deputados. A pressão deverá ser em cima dos deputados para que efetuem as mudanças desejadas pela nossa categoria. Este dia será 22/06.

Para este dia também chamamos uma paralisação total das atividades nas escolas estaduais, afim de que os companheiros trabalhadores possam acompanhar os trabalhos de nossa assembleia. Inclusive a participação de todos neste dia lá em BH é muito importante.

A subsede de Caxambu e região estará organizando a caravana de nossa região para a assembleia do dia 22. Aqueles que desejam ir, por favor passem seus nomes, RG's e cidades até segunda de manhã. A proposta é sair às 00h00 de segunda para terça, para podermos chegar tranqüilo em BH de manhã. Como já dissemos, o maior número de pessoas lá é de vital importância. É o nosso futuro em jogo.

Para mais detalhes, liguem para o meu telefone (35) 8853-8578, ou falem com um dos nossos diretores regionais do Sind-UTE ou representante de sua escola.

Um abraço para todos.

Subsede Caxambu e região

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Informe do Sind-UTE subsede Caxambu e região

Olá Companheiros(as)

A LUTA CONTINUA!! Essas palavras ilustram bem o nosso momento. No final do mês passado suspendemos a greve mas mantemos a nossa mobilização em estado de alerta, pelo cumprimento do acordo assinado no dia 25 de maio.

Por causa disso, a direção estadual do Sind-UTE/MG (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) convoca para o dia 17 de junho (quinta-feita) uma Assembleia Estadual de nossa categoria. O objetivo é retornar as discussões sobre as modificações dos nossos vencimentos básicos, por qual tanto lutamos.

Para este dia também chamamos uma paralisação total das atividades escolas para acompanhar esta assembleia.

O Sind-UTE subsede Caxambu e região estará organizando a caravana de trabalhadores em educação de nossa região para participar desta atividade. Convidamos a todos os interessados para participarem deste momento democrático de nossa campanha. Haverá um ônibus para Belo Horizonte, que sairá de Cruzília às 4:30, e passará nas cidades de Caxambu, São Lourenço e Conceição do Rio Verde. Os interessados mandem e-mails com nome completo, RG e cidade.

A participação de todos é importante. Contamos com ela.

Sind-UTE subsede Caxambu e região

domingo, 6 de junho de 2010

Agora é oficial! Está fundado o Sind-UTE Subsede Caxambu e Região

Ontem, 5 de junho (sábado) foi realizada a Assembléia de Fundação do Sind-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) Subsede Caxambu e região. O evento oficializou a recriação da subsede regional, que irá trabalhar e dar acompanhamento e apoio sindical aos professores da rede pública estadual e das redes municipais locais que se filiarem ao sindicato.
Contanto e dirigida por integrantes da direção estadual, entre eles a coordenadora geral do Sind-UTE Beatriz Cerqueira, a assembléia votou a aprovação da fundação da subsede. Além disso, a plenária votou a composição da diretoria provisória regional, que assume até as próximas eleições gerais do sindicato. São eles:

Mauricéa Vanja Neves Rocha, de Caxambu
Lourdes Carvalhaes Pina Camanzi, de São Lourenço
Maria das Graças Maciel de Arantes, de Cruzília
Cássio Hideo Diniz Hiro, de Caxambu
Selma Maria Pinto Figueiredo, de Caxambu
Ronan Luiz Neves Rocha, de Caxambu
Alinne Bernardes Junqueira Pereira, de Conceição do Rio Verde
Patrick Ernandes Rocha, de Conceição do Rio Verde
Adriani Ribeiro Graciano Pereira, de Conceição do Rio Verde
Maxmiller Francis Vitória da Silva, de Cruzília
Eliane Fleming, de Conceição do Rio Verde

Este é um marco para a reorganização do movimento sindical em nossa região, não só para a categoria dos trabalhadores em educação, mas para todas as outras, pois este processo, tanto a construção da nossa subsede, como a grande mobilização que realizamos em virtude da greve, servirá de exemplo para todos”, disse Cássio Diniz, um dos membros da nova diretoria

Carta aos companheiros da diretoria provisória do Sind-UTE subsede Caxambu e região

Olá Camaradas

Gostaria de postar aqui uma carta que escrevi hoje paraos companheiros eleitos em assembléia para a diretoria provisória do Sind-UTE subsede Caxambu e região. Dêem uma olhada:
Olá companheiros (as)

Ontem conquistamos mais um passo importante da reorganização do movimento sindical de trabalhadores em educação e do resgate da união e do respeito de nossa classe em nossa região. Conseguimos, depois de muita luta, refundar a nossa subsede do Sind-UTE regional.

Gostaria primeiramente de agradecer a todos aqueles que de uma forma ou de outra estiveram nesta grande empreitada. Também aqueles que adentraram neste grande movimento grevista que tivemos este ano e que colocou a nossa categoria novamente no cenário político-social de Minas Gerais e do Brasil.

Gostaria de agradecer aos novos membros da diretoria eleita de nossa subsede. Apesar de ser provisória (até as próximas eleições em 2012), já assume com muitas responsabilidades, mas também com garra e coragem de assumir um papel tão importante.

Queria agradecer à Gracinha, que com seu conhecimento, inteligência e dedicação têm exercido um papel fundamental desde o ano passado. Ao Max, por sua energia e garra de uma nova geração, ao mobilizar sua escola e cidade junto com seus amigos. (Nelson, sentiremos sua falta aqui neste grupo, mas sei que poderemos sempre contar contigo.)

À Lourdes, a grande descoberta em São Lourenço, que com sua dedicação e força de vontade, aliada a sua inteligência e experiência, mobilizou as escolas da cidade com muita dedicação e carinho, sempre de olho no bem de seus companheiros.

À Mauricéa, que desde o começo tem estado com a gente, participando da construção deste instrumento de luta e do movimento em nossa região. Sua experiência política, pedagógica e sindical foi fundamental para chegarmos aonde chegamos. Ao Ronan, outra grande descoberta de nossa luta, que tem se destacado entre outras coisas, com um verdadeiro intelectual orgânico do movimento. À Selma, que com sua força de vontade e espírito de justiça para a nossa classe a colocou em marcha por um futuro coletivo melhor para todos nós trabalhadores.

À Eliane, tem colocado sua experiência política e sindical a serviço de nossa mobilização e construção, e que muitas vezes apontou caminhos a ser seguidos. À Alinne, que descobrimos em Conceição do Rio Verde, mobilizando e colocando em greve, não só a sua, mas todas as escolas da cidade, com a ajuda de Adriane “gatinha” e de Patrick, que com os papéis que cumpriram e cumprem hoje propiciaram a mobilização engajada de sua cidade.

A todos, inclusive aqueles que não citados, um parabéns mais que merecido. E um obrigado.

Mas vamos deixar de melação porque temos muito trabalho pela frente. Precisamos nos reunir brevemente para elegermos os cargos que cada um terá nesta direção provisória. Precisamos urgentemente, pois precisamos fazer ata desta eleição para registrar em cartório, e logo depois mandar para a Marilda (BH) para ela acertar os encargos burocráticos, como registro, CNPJ, recursos financeiros, etc.

Sei que no próximo sábado é dia dos Namorados, um dia para ficarmos com nossos amorzinhos e fazer muito carinho (rs), mas parece que é o único dia próximo viável que a maioria pode estar. Pensem e respondam...

Também precisamos organizar a caravana da região para a Assembléia Estadual da Categoria, recentemente marcada para o dia 17 de junho (quinta). Além disso, temos a questão do aluguel do escritório e dos futuros projetos que colocaremos em prática, tragam suas idéias.

Gostaria de enviar uma cartilha de formação sindical para vocês. É simples, mas já dá uma ilustrada sobre o movimento sindical no mundo e no Brasil. Em breve, em conjunto com a direção estadual, estaremos fazendo um curso de formação sindical mais completo.

Um abraço para todos. Um bom domingo e uma boa semana de trabalho.

Cássio

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Notícia do Sind-UTE Caxambu e região

Olá companheiros

Este final de semana será de suma importância para o nosso movimento e para a nossa categoria. Neste sábado (05/06) ocorrerá a Assembléia Regional dos Trabalhadores em Educação, que terá como objetivo a efetivação da fundação de nossa subsede regional. Um passo importante para a reorganização do movimento sindical em nossa região. Será às 14 horas na Escola Estadual Ruth Martins e contará com a presença da coordenadora geral do Sind-UTE Beatriz Cerqueira e de membros da direção estadual. Além disso, logo após a assembléia, haverá uma manifestação da categoria na visita do governador Antonio Anastasia em Caxambu. O objetivo é lembrá-lo que os professores e trabalhadores em educação ainda estão mobilizados e exigindo o cumprimento dos termos acordados ao final da nossa grandiosa greve.

A participação de todos é fundamental para a nossa luta. Então todos à:


ASSEMBLEIA REGIONAL DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO
• Fundação de nossa subsede regional
• Informes do movimento
Dia: 5 de junho (sábado)
às 14 horas
Na E.E. Ruth Martins de Almeida


Para os companheiros das cidades distantes, haverá ajuda de custo para a gasolina. Só pedimos para que leve nota fiscal com o valor (20,00 São Lourenço, Conceição, Cruzília) com nome e placa, e que venha o máximo de pessoas no carro.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Acesso gratuito ao livro "De pé oh vítimas da Fome!"

Olá companheiros

Diante dos pedidos, estou disponibilizando o link para download do meu livro "De Pé oh Vítimas da Fome!". É só clicar na capa e baixar no 4share.

Uma boa leitura para vocês...

quarta-feira, 26 de maio de 2010

TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS DECIDEM, EM ASSEMBLEIA ESTADUAL, A SUSPENSÃO DA GREVE

Na tarde desta terça-feira (25/05) os trabalhadores em educação da rede estadual de ensino de Minas Gerais se reuniram em mais uma assembleia estadual da categoria, afim de debater e decidir os rumos do movimento. O fator novo desta assembleia foi a análise do documento de propostas apresentado pelo governo mineiro ao sindicato em reunião no dia anterior. Nele o governo cedia em relação ao não corte de ponto e a não demissão de nenhum servidor, assim como nenhum prejuizo funcional para os grevistas (anistia). Além disso, foi apresentado a proposta de formação de uma comissão, com a presença de representantes do governo e do Sind-UTE/MG, que terá 20 dias para estudar reformas nas tabelas salariais dos servidores da educação, e cinco dias para apresentar para votação na ALEMG os possíveis aumentos. Diante disso a categoria aprovou em votação pela suspensão da greve. A volta às aulas está marcada para esta quinta-feira.

O mais importante disso tudo é que a categoria conseguiu, através de sua força, garra e união, forçar um governo, que estava desrespeitando e ignorando uma importante categoria de trabalhadores de nossa sociedade, a negociar e a ceder pontos importantes de nossas reivindicações.
Nesta quarta-feira os trabalhadores em educação de nossa região se reunirá em assembleia regional em Caxambu para debater e aprovar a suspensão da greve a nivel regional. Também decidirá os rumos do movimento e a nossa mobilização permanente enquanto classe organizada. A participação de todos é importante. Será às 15 horas na E.E. Ruth Martins de Almeida.
Mas apesar da suspensão da greve, a nossa mobilização continua. A luta continuará a medida que teremos que pressionar governo e deputados governistas a aprovar, daqui a 25 dias, os aumentos salariais elaborados na comissão. Além disso, a nossa categoria, através de seu instrumento de luta (o nosso sindicato) continuará mobilizada e consciente de seus direitos e deveres, e que a partir de agora os professores e trabalhadores em educação de Minas Gerais terão que ser tratados com respeito e dignidade.

Texto: Cássio Diniz, Sind-UTE Caxambu e região

sábado, 22 de maio de 2010

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Em Assembleia Estadual, os Trabalhadores em Educação da rede estadual decide pela continuidade da greve.

A decisão foi aprovada pelos trabalhadores em Assembléia Regional em Caxambu

A greve dos /as trabalhadores/as em educação da rede pública estadual continua e nova assembleia acontece no próximo dia 25.05, às 14h, no Pátio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Essa foi a decisão tomada por cerca de 15 mil servidores nesta terça-feira (18.05).


Após assembleia, os servidores seguiram em passeata até a Praça Sete e nas escadarias da Igreja São José fizeram uma atividade, uma espécie de Tribunal do Júri para denunciar o descaso do governo para com a educação em Minas.

Em Caxambu, contando com professores e trabalhadores em educação das cidades de Caxambu, Baependi, Cruzília, São Lourenço, Conceição do Rio Verde, Pouso Alto e Carmo de Minas, ocorreu no dia seguinte a Assembléia Regional da Categoria. Em plenária os presentes discutiram a conjuntura do movimento grevista nesta última semana e aprovaram a continuidade da greve em nossa região. Vários profissionais, em suas intervenções, colocaram a necessidade da resistência a um governo que ataca e considera os trabalhadores como inimigos, e que a luta não é mais apenas o aumento real de salário, mas também a conquista da dignidade humana de uma categoria.

Durante a semana e até a próxima assembleia a estratégia do Sind-UTE/MG, por meio de suas subsedes, será a realização de atividades locais em todas as regiões do Estado. Além das escolas paradas, a intenção é agregar novas adesões à greve, que foi deflagrada em 08 de abril último e ampliar o diálogo com a sociedade.

domingo, 16 de maio de 2010

Minas Gerais aboliu o direito de greve

Por Euler Conrado
Embora no papel, na carta constitucional, conste que vivemos numa república ferativa regida por uma mesma Lei Maior - a Constituição Federal -, que assegura direitos próprios de um estado de direito democrático, em Minas Gerais, vive-se uma outra realidade. Por aqui, a greve, que é mandamento constitucional, foi abolida pelo poder judiciário, que age quase sempre ao sabor dos interesses de grandes empresas e dos governantes de plantão.

Todas as recentes grandes greves ocorridas em Minas e em BH foram declaradas ilegais pela Justiça. Rodoviários, médicos e sobretudo a dos educadores das redes municipal de BH e estadual de Minas são exemplos dessa prática.

A greve dos educadores de Minas é o caso mais escandaloso de revogação de um direito constitucional, pois o desembargador considerou a Educação um serviço essencial, que devia ser tratada com os mesmos cuidados daquelas áreas como emergência de saúde, segurança pública, etc. Ocorre que na Lei 7.783 - Lei de Greve - nem de longe, nem nas entrelinhas, a Educação foi reconhecida pelo legislador como "serviço essencial".

Mas, os nossos desembargadores são mais realistas do que o rei e interpretam as leis ao mesmo tempo em que as criam. Há que se perguntar: para quem servem essas leis, se quem deveria primar pelo cumprimento das mesmas é o primeiro a não aplicá-las.

No caso em tela, da greve dos servidores da Educação, a decretação da ilegalidade veio sob encomenda, de maneira suspeitíssima, para um governo que estava sendo acuado pela força de um movimento pacífico e bem organizado e perdendo os instrumentos de coerção e manipulação de que dispõe. Foi literalmente salvo por este providencial arranjo institucional criado pelo judiciário mineiro. E nem adianta recorrer às chamadas instâncias superiores. Não apenas pela morosidade judicial - o que neste caso torna inócua qualquer decisão - como também pelo fato de que os mesmos que decretaram a greve ilegal serão os primeiros a julgá-la novamente.

Diante disso, está colocado para as forças sociais vivas de Minas Gerais e do Brasil o desafio de levar essa discussão para todos os fóruns locais, nacionais e internacionais. Minas respira ares de autoritarismo. Não basta a mordaça imposta à imprensa mineira, toda ela comprada, salvando apenas manifestações individuais de profissionais sérios e éticos da mídia. No conjunto, a imprensa mineira não tem independência para criticar e para praticar um jornalismo ético, que ouve igualmente as partes envolvidas. Tem sido uma imprensa omissa e conivente com os projetos políticos do atual governo de Minas.

O legislativo é outro poder praticamente inútil em Minas, já que não cumpre as obrigações constitucionais de fiscalizar, acompanhar e produzir leis em favor da população. No caso da educação, a maioria dos deputados votou contra uma emenda de implantação do piso salarial profissional e de reajuste decente para os educadores. Ficaram omissos durante mais de 30 dias de greve dos trabalhadores da Educação e só apareceram agora, sob forte pressão das bases dos deputados nos municípios.

O TCE - Tribunal de Contas do Estado - tem um conselho político formado de ex-deputados indicados pelos governantes de plantão. O salário e verbas indenizatórias desses senhores costumam ultrapassar os 50 mil reais. As poucas vezes que a Polícia Federal ionvestigou os possíveis desvios das verbas federais em Minas, descobriu que dezenas de prefeitos estão envolvidos em desvios e falcatruas com o dinheiro público. Ao que parece, estes senhores só roubam dinheiro federal, já que as receitas municipais e estaduais, ao que consta, pela apreciação do TCE, são poupadas da ganância desses administradores.

É esse o quadro institucional de Minas, com os poderes, incluindo a imprensa, em grande medida corrompidos, ou comprados ou envolvidos em grandes esquemas de dominação política dos coronéis de plantão.

Minas não respira liberdade. E a realidade da greve dos educadores é uma prova disso. Um governo que diz publicamente que não negocia com trabalhadores em greve - como é o caso do atual - deveria de imediato ser levado às barras da Justiça se este país fosse verdadeiramente uma democracia e nós vivéssemos um estado de direito. Ora, se a greve e as manifestaçãoes são asseguradas na Carta constitucional, o governante que diz que não negocia com grevista comete crime, tanto quanto qualquer descumprimento da lei.

Além disso, como pode o poder judiciário, ao arrepio do que diz a lei 7.783 - um dever de casa: leiam aqui a lei de greve e vejam se vocês descobrem em que artigo a Educação é considerada serviço essencial - decretar a ilegalidade da greve dos educadores?

Portanto, urge se formar em Minas, ao lado dos movimentos sociais e greves e manifestações em curso, um grande movimento pelo fim do autoritarismo e pelo retorno da democracia em Minas. Na chamada terra da liberdade não se pode permitir que se pratiquem atos como perseguição política, demissões de servidores em greve, imprensa amordaçada e um judiciário (não todos os desembardores, diga-se) corrompído por interesses inconfessos.

É hora de nos mobilzarmos por uma verdadeira republicanização de Minas Gerais, contra o autoritarismo e as políticas neoliberais de governantes apoiados por poderosos grupos de rapina locais, nacionais e estrangeiros. Por enquanto, Minas Gerais é aquele estado onde o direito de greve foi abolido.

domingo, 9 de maio de 2010

Final de semana de mobilização dos Trabalhadores em educação

Nesta sexta e sábado, os trabalhadores em educação da rede estadual realizaram várias atividades de mobilização em nossa região. Todas elas votadas na última assembléia regional realizada no último dia 6 de maio em Caxambu.

Na sexta-feira (07/05) ocorreram em várias cidades da região panfletagens municipais. Em Caxambu os professores distribuíram panfletos e expuseram os contracheques da categoria no calçadão central, na parte da manhã, e nos bairros Santa Tereza e Caxambu Velho, a tarde. O contato com a comunidade foi positivo, aproximando os trabalhadores em luta com os pais e alunos, explicando o porquê da greve e pedindo o apoio da sociedade.

No sábado ocorreram os dois principais atos regionais, um na cidade de Carmo de Minas e outro em Pouso Alto. Em Carmo de Minas os professores e trabalhadores em educação fizeram uma manifestação pelas principais ruas da cidade, chegando a ocupar a avenida principal. Palavras de ordens foram ecoadas pelo município, onde se buscava explicar para a população os motivos dos trabalhadores entrarem em greve, além de denunciar as mentiras do governo.

Já em Pouso Alto os trabalhadores em educação aproveitaram uma atividade festiva da cidade para realizarem a venda do “Fricazella da educação”, um pastel especial e delicioso vendido à população para a formação de um fundo de greve para a categoria local. Ao mesmo tempo, foram distribuídos panfletos para os presentes, além da exposição de faixas e do varal dos contracheques.

Mesmo com tantos ataques do governo do estado, a categoria continua sua luta através de uma forte greve e aos poucos a comunidade se solidaria com os mesmos. É a prova da legitimidade e da justiça de nossa reivindicação. Infelizmente só o governo não vê isso.

Para esta segunda-feira (10/05) está marcado um importante ato surpresa, a ser realizado em Caxambu. A participação de todos os trabalhadores em educação da regional é importantíssimo, e contamos também com a presença de toda a comunidade neste evento. A concentração será às 14 horas, em frente a Escola Estadual Ruth Martins de Almeida (centro).

domingo, 2 de maio de 2010

Vitória da nossa categoria!!

Olá companheiros.

A última noticia do dia. E essa promete dar um gás a nossa luta.

Extra, extra: uma vitória importante dos educadores de Minas e do seu sindicato - o Sind-UTE - ocorreu no dia 30 de abril, com a conquista de uma liminar ao Mandado de Segurança impetrado na Justiça mineira, impedindo o governo do estado de contratar servidores para substituir os trabalhadores em greve.

O Mandado de Segurança elaborado pelos advogados do Sind-UTE foi uma resposta imediata ao Ofício 1013/2010 que a Secretaria da Educação enviou para os diretores das escolas tentando intimidar os servidores contratados, num ato que agride aos direitos constitucionais do cidadão e do trabalhador.

Mesmo tendo voltado atrás parcialmente, o governo manteve o clima de terror psicológico, com a colaboração de alguns diretores despreparados e coniventes com a chantagem. Agora, com a liminar da Justiça, fica assegurado o direito constitucional de qualquer servidor, contratado ou efetivo, aderir livremente à greve que foi aprovada em assembléia do sindicato no dia 08 de abril de 2010.

É a força da greve e da unidade dos trabalhadores! Só com a luta e com essa unidade é que conseguiremos a nossa vitória, que pode estar próxima, só dependendo de nós mesmos.

O TJMG DÁ PARECER FAVORAVEL A LIMINAR QUE IMPEDE ESTADO DE CONTRATAR SERVIDORES PARA O LUGAR DOS GREVISTAS

Leiam o andamento do processo:


Espero que isso tranquilize os servidores em GREVE e lhes dê força para continuar a LUTA!

NUMERAÇÃO ÚNICA: 0206978-26.2010. 8.13.0000
Cartório de Feitos Especiais - Unidade Goiás ATIVO

Classe: Mandado de Segurança Processo Siscom: ..
Assunto: Direito de Greve < Regime Estatutário < Servidor Público Civil < DIREITO ADMINISTRATIVO E OUTRAS MATÉRIAS DE DIREITO PÚBLICO
Câmara: 1º GRUPO DE CÂMARAS CÍVEIS
Tipo Documento Origem: PETICAO INICIAL
Data Cadastramento: 28/04/2010 Data Distribuição: 28/04/2010

Impetrante(s) : SINDUTE MG SIND UNICO TRABALHADORES EDUCAÇÃO MINAS GERAIS
Autorid coatora: SECRETARIO ESTADO EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

Última(s) Movimentação(ões) :
Diligências Cartorárias ou de Ofício 30/04/2010 Certificada a transmissão via fac-símile da decisão que concedeu parcial ou integralmente a liminar através do Ofício nº 2083/10 à Secretária de Educação/MG.
Autos devolvidos 30/04/2010 Liminar deferida.
Autos conclusos à relatoria, Des. 28/04/2010 Alberto Vilas Boas CAFES - Unid Goiás

Dados Completos Todos Andamentos Todas as Partes/Advogados Expediente(s) Enviado(s) para Publicação

Consulta realizada em 30/04/2010 às 18:33:19

sábado, 24 de abril de 2010

Personagens da greve: Hoje, Maria de Fátima

Hoje a personagem da greve da vez é a Maria de Fátima, mais conhecida simplesmente como Fátima, professora e bibliotecária da Escola Polivalente (Caxambu). Na luta há muitos anos, ela é presença nas assembléias e manifestações da categoria e está junto conosco na cosntrução deste movimento.

A minha participação no Limite, da ESPN Brasil

Desabafo de uma Educadora

Por Débora Aparecida Rojas Pinto Silva, de São Lourenço, MG

O presente diz respeito às políticas públicas de Minas Gerais. Sou Inspetora Escolar efetiva por 10 anos e nunca me deparei com situações de politicagens tão degradantes como as que temos vivenciado.
Como a atuação do Inspetor acontece diretamente nas escolas, preocupo-me muito com cada aluno da instituição, que para mim não é um número a ser considerado, mas um nome que tem um vida familiar, afetiva e social.

Acontece que no último mês, preocupados com o número de reprovações que seriam divulgados nas campanhas eleitorais vindouras, a SEE/MG determinou às Superintendências Regionais de Ensino que aprovassem para os anos posteriores, os alunos retidos em 2009, mesmo não estando com as competências e habilidades mínimas do ler, escrever e calcular desenvolvidas. Isso significou que um aluno reprovado no 3º. ano (2ª. série), mas que tivesse 11 anos, mesmo não sabendo ler ou escrever, foi "promovido" automaticamente para o 6º. ano (5ª. série).

Ora, a LDB 9394/96 prevê a retenção ao final de cada ciclo. Em havendo a retenção nos ciclos dos anos iniciais é porque os alunos não possuem condições mínimas de prosseguirem seus estudos. E para que se chegue a essa conclusão, creio que muitos recursos são utilizados, claro que com algumas exceções.

Mas, isso não é o que mais me preocupa. O que me preocupa é o Joãozinho, a Mariazinha, o Zezinho, a Romilda e tantos outros saindo do 5º. ano (4ª. série) sem ler e escrever, tendo que enfrentar, no mínimo 5 professores que entrarão em sala, darão sua aula em módulos de 50 minutos, irão para casa e não estarão nem ai para os problemas desses alunos, se eles sabem ou não ler ou escrever. Não porque não querem, mas porque a jornada dupla de trabalho, devido ao baixo salário, não deixa que se preocupem com seus alunos. E ao final do ano, o que acontece? Retenção... E a auto-estima desses alunos??? E a aprendizagem de cada um deles??? Quem cuidou de sua aprendizagem??? Se permanecessem nos anos iniciais estariam sendo amparados por um professor recuperador, pelo Projeto Escola de Tempo Integral, pelo professor para o ensino do uso da biblioteca, pelo próprio professor regente. E nos anos finais??? Por quem serão atendidos? Antecipo a resposta: por ninguém. E por quê? Por que a SEE/MG não fornece recursos humanos para atender a esses tipos de necessidades. Há inclusive escassez de professores em diversas disciplinas. Temos professores que foram efetivados pela Lei 100/2007 sem concurso público, graduados em Normal Superior, que habilita para atuar apenas nos anos iniciais do Ensino Fundamental e que ministram aulas de Física, Biologia, Matemática, Língua Portuguesa e outras no Ensino Médio.

Fico decepcionada com a políticagem em meu Estado. Prejudicar alunos por questão de números e gráficos que possam fazer bonito nas campanhas eleitorais está além das sujeiras humanas.

Desrespeitar os princípios constitucionais e as normas legais educacionais em função de dados estatísticos é degradante.

Ver o ser humano como um "zé ninguém" que deve ser desrespeitado em seu direito de aprender e aprender para poder viver sua cidadania é desumano.

Como se não bastasse, esses alunos acabaram de ser posicionados nos anos posteriores após terem sido retidos ao final dos ciclos (isso significa que foram posicionados agora em abril, após terem frequentado 3 meses o ano da retenção) e já estão totalmente desabientados, além do que estão com muitas dificuldades, visto que não leem, não escrevem ou calculam. Alguns não fazem nem o processo de reversibilidade. Já imaginou como será difícil aprenderem uma equação de 1º. grau??? Coloque-se no lugar de um aluno como esses. Como se sentiria??? Como acha que se sairia????

Creio que deve estar se questionando: "- Poxa, mas porque ela não faz esse desabafo com a própria Secretária Vanessa Guimarães?".

Respondo de prontidão: " Não se desabafa ou se reclama com o pai da criação, pois ele sempre achará que o seu filho é bonito demais para ser questionado ou talvez ele esteja dançando a música que lhe pedem para dançar..."

Há também um outro fato a ser denunciado, tão grave quanto o desabafo acima.

Em julho próximo haverá uma avaliação externa (Proalfa), na qual serão avaliados os alunos que estão nos anos finais dos ciclos. Ora, os alunos que estavam retidos nesses anos ainda são alunos com muitas dificuldades e que até a data da avaliação não seriam sanadas. Logo, porque não aprová-los para que não sejam avaliados em julho e os resultados sejam melhores? Assim Minas terá uma colocação melhor na classificação geral do Brasil. A solução encontrada, então, foi determinar que esses alunos fossem aprovados para os anos posteriores, como descrito acima.

Bom, creio que já falei demais...

Sinto-me mais aliviada, mas continuo preocupada com minhas crianças e incapacitada para ajudá-las.

Espero em Deus a solução para elas e confio nas urnas para colocarmos à frente do nosso Estado, pessoas que se preocupam com pessoas e não com seus "bolsos" e status.

Enfim, a esperança é a última que morre... espero não morrer depois dela... rsrsrs

sexta-feira, 23 de abril de 2010

É Cássio Diniz na ESPN Brasil

Olá companheiros

Como jáhavia prometi aqui algumas semanas atrás, finalmente na terça passada apareceu a minha história no programa "Limite, O Melhor da Velocidade", do canal ESPN Brasil.
Já gravei em VHS a minha passagem pelo programa. Em breve vou digitalizá-lo e postarei aqui. Enquanto isso, cliquem no link e dêem uma olhada no site do programa.
http://espnbrasil.terra.com.br/limite/noticia/114707_ALBUM+SOBRE+RODAS+20+DE+ABRIL

Abraços

Vídeo sobre a assembléia e manifestação dos trabalhadores em educação de Minas Gerais em São João del Rey

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Convocação do Sind-UTE Caxambu e Região

ATENÇÃO PROFESSORES
A LUTA CONTINUA, E CADA VEZ MAIS FORTE!
ASSEMBLÉIA REGIONAL DE TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO.

SEXTA-FEIRA (23 DE ABRIL)
ÀS 16H30
NA ESCOLA RUTH MARTINS DE ALMEIDA (CAXAMBU)

VAMOS DEBATER A CONTINUIDADE DA GREVE EM NOSSA REGIÃO E OS PRÓXIMOS ENCAMINHAMENTOS DE NOSSA CAMPANHA

Sind-UTE realiza seu maior ato em cidades históricas:


Na tarde do dia 21 de abril, gritos de dignidade ecoaram por São João del-Rei. Aproximadamente 10 mil professores, vindos de todas as regiões de Minas Gerais, reivindicaram salários dignos e melhores condições de trabalho. Na maior mobilização organizada pelo Sindicato Único dos Trabalhadores de Educação de Minas Gerais (Sind-UTE), o Governo Mineiro foi atacado diretamente, porque, segundo os manifestantes, sucateou e abandonou a educação. Foi decidido, quase por unanimidade, que a greve seria mantida por tempo indeterminado.


No dia da Inconfidência Mineira, a mobilização teve um forte significado simbólico, já que foi realizada em terra de democracia e liberdade. “É sabido, por todos, que São João del-Rei é terra de poetas, artistas, músicos, políticos e politicagem. Por isso, nesse dia de tantas comemorações cívicas, é de grande importância que essa cidade seja palco de mobilização e reivindicações sociais”, disse Maria Nazaré dos Santos, diretora do Sind-UTE.

Em Assembleia, a categoria votou pela continuidade da paralisação. “Esse é o nono dia da greve. Sabíamos das dificuldades, mas tínhamos um objetivo claro: a notificação dos vergonhosos salários praticados pelo Estado. A greve continua até que os políticos nos proponham algo concreto”, declarou a coordenadora do Sind-UTE, Biatriz da Silva Cerqueira.


“Salários de fome”


Em média 75% dos professores da Rede Estadual de Ensino estão em greve. Eles pararam porque o governo de Minas Gerais não cumpre a Lei Federal nº. 11. 738 – que estipula o piso salarial dos profissionais de educação em R$ 1312, 85 reais. Contracheques lidos na manifestação exemplificam os vencimentos irrisórios recebidos pelos profissionais da educação: uma professora magistrada ganha R$ 369,00; um professor com nível superior, R$ 481,00 e um auxiliar de educação, R$ 315,00 reais. “Isso não é novidade. Temos que denunciar os péssimos salários e fazer com que a sociedade entenda e apóie a greve”, falou Biatriz Cerqueira.

Para José Luiz Rodrigues, diretor do Sind-UTE, educação, saúde, moradia e democracia estão enforcadas em Minas Gerais. “O mundo da fantasia de Aécio Neves e Antônio Anastasia é feito de enganação, eles acabaram com a cidadania. Os professores precisam trabalhar três turnos para conseguirem sobreviver com seu salário de fome”, afirmou Rodrigues.

Negociações
Dia 14 de abril, representantes do Governo e Sindicato se reuniram, mas não foi apresentada nenhuma proposta. “Queremos um piso salarial de R$ 1312,85 para uma jornada de 24 horas e nível médio de escolaridade. A greve está em crescimento, cada vez mais municípios estão aderindo. Isso mostra a força dessa greve em Minas Gerais”, ressaltou Biatriz Cerqueira.

Desmedalhamento
Ao final do ato, os líderes do Sind-UTE fizeram a “Cerimônia de Desmedalhamento”, uma espécie de homenagem vergonhosa prestada ao IPSEMG, à Mídia, a Antônio Anastasia e Aécio Neves, entre outros.

Sindicato e Forte e Atuante depende da participação de todos (as).

domingo, 18 de abril de 2010

Comissão pró-subsede do Sind-UTE de Caxambu e região se reúne com o superintendente regional de ensino Marcelo Figueiredo

Na última sexta-feira (16/04) a comissão pró-subsede do Sind-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) de Caxambu e região reuniu-se com o superintendente regional de ensino, Marcelo de Castro Figueiredo, na sede da SRE, em Caxambu.

O objetivo principal da reunião foi a abertura ao diálogo entre os representantes dos trabalhadores em educação da rede estadual da região e o do Estado de Minas Gerais. A pauta contou com quatro principais pontos: 1) Apresentação da pauta de reivindicações da categoria; 2) esclarecimentos sobre o direito de greve dos servidores e possíveis retaliações; 3) corte de ponto dos grevistas e da operação tartaruga; 4) questionamento sobre o reagrupamento dos alunos dos anos iniciais do Ensino Fundamental que foram reprovados.

Dado o conhecimento da pauta de reivindicações da categoria, passou-se aos demais itens da pauta. Sobre o segundo ponto, o Diretor II da SRE, Profº Marcelo, disse que não há por parte da SRE qualquer tentativa de barrar o movimento grevista e que não existe, até o momento, qualquer procedimento de punição aos participantes do movimento grevista. Ele esclareceu que os dias parados, deste movimento, são classificados como FALTA GREVE, e recebem código diferente das faltas injustificadas. Assim estas faltas não contariam para o cancelamento dos contratos dos designados. Por outro lado, ele informou que pode ter havido problema de comunicação com os diretores das escolas.

Sobre o terceiro ponto, ele informou que até o momento não recebeu qualquer instrução sobre o corte de ponto dos dias da “Operação Tartaruga” e, que o mesmo não ocorrerá até que receba ordem de Belo Horizonte/SEEMG. Questionado sobre a necessidade de julgamento por parte do Ministério do Trabalho sobre a ilegalidade da greve para se cortar o salário, ele informou que apenas segue orientação da SEE-MG e que isso deverá ser levado à mesma.

E por último, sobre a questão pedagógica, o profº Marcelo informou que segue orientação da SEE-MG para reagrupar os alunos, dizendo ser necessário acabar com a cultura da reprovação e prometeu acompanhamento aos alunos com dificuldade. Questionado sobre o caráter político de tal ação, ele preferiu não comentar e sugeriu argumentar diretamente a Secretaria Estadual de Educação.

sábado, 17 de abril de 2010

Professores e Trabalhadores em Educação fazem manifestação em São Lourenço

Neste sábado (17/04) professores e trabalhadores em educação de toda a região fizeram uma manifestação pelas ruas da cidade de São Lourenço. O ato, convocado pela comissão pró-subsede do Sind-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) de Caxambu e região, e aprovado em assembléia, foi para demonstrar para a comunidade a situação do profissional do ensino, que hoje recebe como vencimento básico algo entre R$ 336,00 à R$ 515,00. A reivindicação é o cumprimento da Lei 11.738/08 (lei do Piso Salarial Nacional do Magistério), onde o salário inicial, com reajustes previsto pela própria lei, seria de R$ 1.312,85.

A manifestação contou com a participação de professores e trabalhadores de São Lourenço, Caxambu, Carmo de Minas, Dom Viçoso e Pouso Alto. Além disso, pais e alunos expressaram seu apoio à causa acompanhando a passeata.

Durante o ato os manifestantes denunciaram as mentiras do governo estadual, como já pagar o piso e ter um ensino de excelência. E anunciaram que uma caravana da região irá para São João Del Rey participar do grande ato pela implementação do piso salarial, a ocorrer na cidade no dia 21 de abril.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Notícia sobre a Assembléia Regional de Trabalhadores em Educação de Caxambu e região

Nesta última quinta-feira (15/04) os trabalhadores em educação da rede estadual das cidades de Caxambu, Baependi, São Lourenço, Cruzília, Carmo de Minas, Pouso Alto, Conceição do Rio Verde, Dom Viçoso e Soledade de Minas realizaram uma Assembléia Regional na cidade mineira de Caxambu.

Nesta assembléia os profissionais da educação decidiram em votação a adesão da categoria à greve por tempo indeterminado, já em andamento em todo estado e aprovado a sua continuidade em assembléia estadual realizada no mesmo dia em Belo Horizonte.

Também foi eleita uma nova comissão pró-subsede do Sind-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) de Caxambu e região, que terá como objetivo organizar o movimento grevista e a construção da subsede regional.

Por último votou-se encaminhamentos para os próximos dias. Foram aprovadas duas atividades, uma manifestação em São Lourenço no dia 17/04 na praça central às 10h00, e outra uma caravana para a assembléia estadual em São João Del Rey no dia 21/04, onde também ocorrerá uma manifestação no mesmo dia.

terça-feira, 13 de abril de 2010

Nota pública da comissão pró-subsede do Sind-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) de Caxambu e região

Como todos já devem saber, os professores e trabalhadores em educação das cidades da região do Circuito das Águas e demais outras estão em plena campanha salarial, lutando pela valorização de nossa categoria (através da luta pelo cumprimento da lei 11.738/08, do Piso Salarial Nacional, de R$ 1312,85 para cargos de 24 horas).

No último dia 8 de abril, em assembléia estadual realizada em Belo Horizonte, a categoria votou o inicio da greve por tempo indeterminado. Nós, da região do Circuito das Águas, também realizamos uma Assembléia Regional, no qual a plenária votou pela Operação Tartaruga, como forma de construirmos a greve que poderá ser iniciada dia 15 por aqui.

Muitas escolas da região estão aderindo ao movimento. Debates entre os profissionais da educação ocorrem a todo momento. Reuniões pipocam em várias cidades. A campanha está viva e em movimento. A mobilização da categoria está na ordem do dia.

Nesta semana, como já foi dito, estão ocorrendo várias reuniões por escolas e por cidades. Na segunda-feira (12) os professores do turno da tarde da Escola Ruth Martins se reuniram e decidiram a continuidade da operação até o dia da Assembléia Regional (15). No mesmo dia mais de 50 professores das escolas de São Lourenço se reuniram no auditório da E.E. Mario Junqueira Ferraz e votaram a continuidade do movimento, a fim de construírem a greve. Já na terça-feira (13) professores da E.E. Felizarda Russano (Pouso Alto) e demais das cidades próximas se reuniram e estão encaminhando a sua mobilização. Ainda hoje ocorrerá mais uma reunião, desta vez em Carmo de Minas, que aliás, já estão em greve (isto é, com suas atividades paralisadas). Demais escolas de Cruzília, Soledade e Baependi estarão se reunindo ainda.

É o momento da luta, e a cada dia a mobilização está ficando cada vez mais forte. Mas é também nestes momentos que se inicia a contra-ofensiva por parte do Estado, representado na região pela figura da Superintendência Regional de Ensino. Nós da comissão já recebemos informes de que a SRE local está tentando desarticular o movimento dos trabalhadores através de coerção, desmotivação, desmobilização através de falsas premissas e até mesmo ameaçando os participantes do movimento com faltas, descontos e até ocorrências.

Nós professores e trabalhadores em educação, em nenhum momento podemos aceitar esta afronta por parte da SRE. Não podemos abaixar a cabeça diante de tais colocações e devemos seguir em frente com o nosso trabalho de construção deste movimento maravilhoso. Não somos cordeiros para sermos tratados deste jeito. É o momento de juntarmos cada vez mais as forças e juntos conquistarmos o nosso direito a dignidade profissional e humana.

E além do mais, todos os trabalhadores brasileiros têm o direito à greve, previsto pela Constituição Federal de 1988 (artigo 9º e também pela lei nº 7.783/89). Nenhuma pessoa pode ser punida ao exercer seu direito. Se algo do tipo acontecer, a justiça dos trabalhadores terá que prevalecer. Qualquer um que sofra ameaças ou retaliações, entrem em contato conosco.

Para fortalecermos esta nossa ação conjunta, pedidos, ou melhor, convocamos todos os trabalhadores em educação da rede estadual a estar presente na Assembléia Regional do dia 15 de abril, às 16h30, no salão da E.E. Ruth Martins de Almeida (Caxambu), para estarmos debatendo e votando os rumos de nosso movimento. É importante a participação de todos porque a Assembléia é soberana e vai definir a nossa linha de atuação em toda a região.

Venha você também para a luta! UNIDOS, SOMOS MUITO MAIS FORTES!!!

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Nota do Sind-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) de CAxambu e região

Nesta quinta-feira (8 de abril) professores e trabalhadores em educação do Estado de Minas Gerais da região do Circuito das Águas, que paralisaram suas atividades neste dia, se reuniram em assembléia regional para debater o movimento dos mesmos e votar os próximos passos de nossa luta.

Contando com a participação de representantes de escolas de Caxambu, Baependi, Cruzília, São Lourenço, Carmo de MInas, Conceição do Rio Verde, Pouso Alto e Soledade de Minas, a assembléia iniciou com um balanço do movimento dos professores na região e um informe da Assembléia Estadual realizada horas antes em Belo Horizonte, que decidiu pela greve. A partir de então abriu-se para intervenções da plenária, onde os trabalhadores puderam expor suas opiniões, levantar dúvidas e propor idéias para a continuidade e crescimento da luta.

Ao final foram três propostas apresentadas: 1) Operação Tartaruga com aulas de 30 minutos ate´o dia 15, com indicativo de greve e assembléia no mesmo dia; 2) greve por tempo indeterminado com assembléia no dia 15; 3) não adesão a greve e não à operação tartaruga. A proposta vitoriosa foi a primeira.

A partir desta segunda-feira (algumas escolas já iniciaram nesta sexta) as escolas iniciarão a operação tartaruga, ao mesmo tempo que se realizará uma verdadeira ofensiva nas comunidades e demais escolas da região para buscar maior adesão e apoio das pessoas.

É importante o apoio e a cooperação de todos nesta luta. UNIDOS SOMOS MUITO MAIS FORTES!!

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Uma ajudinha ao Jornal Brasil de Fato

Olá camaradas!

Infelizmente no Brasil a grande mídia é controlada por uma elite que forma uma oligarquia dos meios de produção, ligada a interesses políticos particulares, característica comum do capitalismo.

Mas as vezes conseguimos furar este monopólio e surgem jornais que buscar colocar uma visão dos socialmente e politicamente excluídos. O jornal Brasil de Fato consegue a anos cumprir com este papel, fazendo o milagre de editar o periódico em impresso-papel, algo incomum no Brasil para um jornal de grande circulação. Tudo bem haver críticas quanto a sua tendência petista, mas também abre espaço para várias críticas ao governo Lula, mas sob uma ótica de esquerda.

No interior é dificil encontrar, mas nas grandes cidades é possível achá-lo nas bancas de revistas. Dêem uma olhada neste vídeo de divulgação do jornal Brasil de Fato:

domingo, 4 de abril de 2010

IMPOSTO SINDICAL

O Sind-UTE/MG e outras entidades sindicais do funcionalismo público estadual protocolaram junto à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão, solicitação para que o desconto do imposto sindical não seja efetuado em 2010. De lá, a secretária Renata Vilhena encaminhou documento à Procuradoria Geral do Estado. Em 2009, baseando numa Instrução Normativa do Ministério do Trabalho, o Governo de Estado fez o desconto de um dia de trabalho de todos os servidores/ as estaduais, e o montante arrecadado com esse desconto foi depositado judicialmente.

O Sindicato defende uma forma de atuação sindical baseada na autonomia e liberdade e, consequentemente, que a manutenção da entidade seja feita pela contribuição voluntária de cada trabalhador/a em educação, e não de maneira involuntária como o imposto sindical.

Mas infelizmente o pedido não foi acatado pela SEPLAG. A secretaria ignorou os sindicatos e efetuou a cobrança do imposto sindical no pagamento dos servidores públicos de Minas Gerais neste mês.

O imposto sindical foi criado na década de 30 durante a ditadura de Getúlio Vargas, como forma de atrelar os sindicatos pelo Estado. Do total do dinheiro recolhido, parte é dividida entre as instâncias sindicais e o Ministério do Trabalho, que repassa esse valor para o FAT – Fundo de Amparo ao Trabalhador. Desde o ressurgimento do sindicalismo independente no final da década de 70, defende-se o fim deste imposto.

Direito de greve do servidor público

Olá companheiros!

Gostaria de postar aqui um trecho de um texto do advogado do Sind-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) subsede de Cataguases. Dêem uma olhada:
.
"(...) A greve é um direito constitucional. No caso dos servidores públicos, garantida pelo inciso VII do artigo 37 da Constituição Federal: “Art. 37- A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (...) VII- o direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei específica; (...)”

Portanto, o direito à greve é consagrado. Recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que, na ausência de uma lei específica para a greve no serviço público – como reza no inciso VII do Artigo 37 – vale a lei do direito de greve da iniciativa privada, ou seja, a Lei 7.783/89, com pequenas modificações.

Além disso, cabe lembrar que deixar de comparecer ao serviço em virtude da greve é uma atitude protegida constitucionalmente pelo inciso VIII do artigo 5º da CF, porque quem age assim o faz motivado por convicção íntima de que é através deste ato (participar da greve) que o objetivo de uma categoria profissional será atingido."

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Álbum sobre rodas

Olá Camaradas!

Hoje mandei a minha participação para o programa Limite, da ESPN Brasil, no quadro Álbum sobre Rodas. A aparição é de poucos minutos, mas o textinho e as fotos estarão lá. Dêem uma olhada o texto mandado a pouco:

Olá, meu nome é Cássio Diniz, sou professor aqui em Caxambu/MG e sempre acompanho o Limite pela TV e pela net.

A História de que quero falar é de um pequenino carro chamado Lepo P2, da Suzuki. Meu pai adquiriu um quando morávamos no Japão. É um carro no tamanho do inglês MiniCooper, com um pequeno motor de 860cc e que fazia em torno de 25 km por litro de gasolina. Ao contrário dos 90% dos carros no Japão, o Lepo P2 era câmbio manual. O único luxo: ar condicionado com ar frio e quente. Luxo maior ainda: um toca-fitas jurássico onde meu pai tocava sempre a mesma fita (Mastruz com Leite).

Como trabalhávamos como dekasseguis (isto é, muito) a única diversão nossa era pegar o pequeno carrinho e passear pelas estradas próximas de Hamamatsu nos domingos. Me lembro que com apenas 1.000 ienes (equivalente a 8 dólares) enchiamos o tanque e dirigiamos a tarde inteira.

O engraçado que eu não conseguia dirigir o carrinho. Não pelo tamanho, mas sim pela posição da direção. Como todo mundo sabe, lá no Japão a mão é "inglesa". Então todo o instrumental é o inverso do que estava acostumado no Brasil. Ao dar seta ligava o limpador de párabrisa e quando queria passar a marcha, batia a mão na maçaneta da porta. Perdi as contas de quantas "quase" batidas tive por lá.

A última lembrança que tenho dele é de apesar de ser um carro de pequeno valor e pau-pra-toda-obra, meu pai chorou escondido atrás de casa quando teve que vender pois iríamos voltar ao Brasil em 2002.

Novo blog do Sind-UTE Caxambu e região

Olá companheiros...

Demorou mas finalmente saiu. Já está no ar o blog do Sind-UTE Caxambu e região. Lá todo mundo pode conferir as últimas noticias sobre o movimento sindical dos professores e trabalhadores em educação na região do Circuito das Águas (sul de Minas).

Então companheiros, acessem já o blog e fique por dentro.

quarta-feira, 31 de março de 2010

VAMOS PARAR DIA 8 DE ABRIL!

Olá Companheiros.


Como foi decidido na última assembléia geral de professores em Belo Horizonte, damos continuidade ao indicativo de greve a partir do dia 8 de abril. Nós da comissão do Sind-UTE estamos visitando as escolas de Caxambu, Baependi, Conceição do Rio Verde e Cruzília, e esperamos visitar outras na próxima semana, como em São Lourenço, chamando os companheiros a aderirem a greve e também chamando para a Assembléia Regional, que se realizará no dia 8 às 16h30, no salão da E.E. Ruth Martins de Almeida. Nesta assembléia debateremos e decidiremos os rumos da greve em nossa região.

ENTÃO, TODOS À ASSEMBLÉIA DE TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO NO DIA 8 DE ABRIL, ÀS 16H30, NO SALÃO DO E.E. RUTH MARTINS DE ALMEIDA, EM CAXAMBU

segunda-feira, 29 de março de 2010

O QUE O ALUNO ENSINA QUANDO O PROFESSOR ESTÁ EM GREVE?

Olá companheiros!

Gostaria de publicar aqui um texto escrito pelo professor de São Paulo, Wilson da Cruz, sobre a adesão de seus colegas à greve que já dura quatro semanas. Dêem uma olhada:

Todos nós educadores já passamos por situações em sala de aula em que é necessário descobrir o culpado por algo de errado que tenha ocorrido e, quase sempre nos deparamos com o silêncio dos colegas que sabem quem é o culpado. Eles silenciam. Ninguém fala. Ninguém denuncia. Pode perguntar o quanto quiser que a resposta não aparece. Com muito custo se obtém a revelação do dono da culpa por alguém que a revela sigilosamente, no anonimato e não ali naquele momento.

Na maioria das vezes os educadores condenam esse comportamento de proteção e ocultação que existe entre os alunos, principalmente por se tratar de algo errado, um exemplo que não pode ser seguido, entretanto muitos educadores podem aprender muito com essa maneira do grupo agir.

Agindo dessa forma os alunos demonstram algumas virtudes, mesmo sabendo que esses momentos não sejam os melhores para revelarem tais espíritos, mas, o espírito de união fica escancarado em uma situação como essa. Também o espírito de solidariedade, companheirismo e irmandade acabam se revelando. Nessas revelações um agente ainda muito mais rico também fica a mostra. A força.

Eles se defendem e se unem desse modo mesmo sabendo que encobrem algo que não é certo. Imagine essa força quando se for defender algo que acreditam ser correto. É muito mais poderosa.

Nesse momento de paralisação de professores quero repudiar aqui essa falta de união da nossa categoria e isso, não é apenas conversa de professor grevista. ESTOU EM GREVE SIM, NÃO SÓ POR MELHORES SALÁRIOS. ESTOU EM GREVE POR NÃO SUPORTAR MAIS ESSE MODELO DE ESCOLA PÚBLICA QUE VIVEMOS. NÃO EXISTE ALGO MAIS FRACASSADO EM NOSSO PAÍS DO QUE A ESCOLA PÚBLICA. ESTOU EM GREVE PORQUE SEI QUE SOU VÍTIMA DE INJUSTIÇAS E MENTIRAS E MUITO ME INCOMODA FAZER PARTE DESSE FRACASSO.

Mesmo assim, com toda convicção e experiência que tenho da realidade da escola pública, no contexto geral, apesar de mostrar tantos guerreiros gloriosos, nosso movimento é fraco. O número de professores que lutam e gritam por não suportarem mais tanto descaso é pequeno quando comparado com a totalidade. Mas, o que podemos esperar?
Apenas a parcela que realmente tem garra, dignidade e acredita que seu trabalho tem realmente valor e não se conforma mais com essa realidade está dando um exemplo muito glorioso de raça. Coragem e dever de luta são jóias que não estão para todos.

O direito de aceitar ou não, paralisar ou não, faz parte das suas possibilidades Sr. Educador e deve ser respeitado por todos. Vivemos e buscamos uma democracia, cada vez mais ampla. Mas dói muito saber que a intelectualidade e o nível de consciência da grande maioria da nossa categoria não estão a altura da indignação e do protesto. Muito menos ainda se pode esperar do dever.

A grande maioria da nossa categoria age como se não fizesse parte disso. É lamentável se esconder por de trás de tantas desculpas e, todos nós temos nossos motivos. Porém, não se pode negar a omissão, a imparcialidade e até mesmo a covardia e o parasitismo que existe em nosso meio. Infelizmente é o retrato que acaba sendo revelado. O retrato das carências, debilidades e submissão.

Muitos de nós ficaremos sem o próximo pagamento e vamos estar em apuros enquanto veremos tantos dos nossos “colegas” sem esse problema. Porém, algo de muito reluzente estará em nossas faces. A nobreza da dignidade e o espírito de coragem de guerreiro permanecerão em nossas cabeças erguidas.

Nesses raros momentos em que podemos mostrar força só podemos contar com a minoria, entretanto, me sinto melhor e consolado por saber que entre nós existem tantos demonstrando idealismo, coragem, rejeição ao fracasso e combatendo a opressão.

A todos os colegas educadores que não participam, não aderem, fingem não ter relação com tudo isso - quero afirmar que continuarão a ser respeitados e confesso que tenho procurado entender que cada um tem seu motivo pelo comportamento alienado. Sei que apesar do salário que faria falta no final do mês e de tantas outras penalidades que poderia sofrer, com certeza deixaria seu nome “arranhado” no sistema. É compreensível.

DIRIGENTES, SUPERVISORES, DIRETORES e outros que recebem alguns míseros a mais para fazer parte e ajudar a manter toda essa opressão se omitindo de enfrentar essa péssima qualidade das nossas escolas públicas, demonstram comportamento lastimável e vergonhoso não só pela proteção escandalosa que garantem a continuidade deste mal que corrói, oprime e mantém a continuidade, mas, principalmente por demonstrar AUSÊNCIA DE DEVER E RESPONSABILIDADE SOCIAL para ajudar a exigir mudanças. Pela posição que ocupam na hierarquia deveriam assumir a linha de frente dessa batalha. Tal comportamento se não é criminoso é imoral e garante a continuidade da condição de submissão da população escolar.

Apesar de continuar lhes respeitando profissionalmente Sr.(a) “Educador (a)”...tal respeito vai estará carente do “neon”...da aura que enobrece nossa personalidade, nosso caráter e nosso senso de justiça e honestidade.
Aos grevistas, parabéns. Já são vitoriosos!

Prof. Wilson G. da Cruz – em apoio a luta
dos professores em defesa da escola pública.
Março - 2010

sábado, 27 de março de 2010

Vídeo explicativo sobre a mentira do aumento de Aécio.

Olá de novo!


Nesta sexta-feira o Sind-UTE (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) divulgou um vídeo explicativo sobre o que significa o "aumento" oferecido pelo governo Aécio Neves. Dêem uma olhada nele:

Assim se trata o professor

Olá companheiros!

A luta dos professores de São PAulo continua. A resistÊncia é forte e eles já entrarão na quarta semana de paralisação. Mas, ao invés do governador Serra aceitar a derrota e as nossa reivindicações, ele joga a polícia em cima dos educadores. Confiram o tratamento especial dado aos educadores:

quinta-feira, 25 de março de 2010

A piada do aumento de 10%

por CássioDiniz

No último dia 22 de março (segunda-feira) o governo estadual anunciou a proposta de aumento de salário para diversas categorias do serviço público estadual. Para os profissionais do magistério este aumento seria de 10%, ou no vencimento inicial ou no que chamam de piso remuneratório. No primeiro caso o vencimento básico de um professor de formação no magistério pularia de R$ 336,00 para R$369,00 e de um com formação de nível superior pularia de R$ 500,00 para R$ 550,00. Mas neste caso a Parcela Remuneratória encolheria para muitos professores, sem que ocorresse aumento real. Já no caso de reajuste no “piso remuneratório”, o teto subiria de R$ 850,00 para R$ 935,00 (na verdade com os descontos, é de 720,00).

O problema é que o tal piso remuneratório, na verdade, é um teto onde o governo estabeleceu em 2008 um limite, que como já dissemos, é de R$ 850,00 (720,00). Este “piso” inclui o vencimento inicial mais gratificações conquistadas pelos professores ao longo da carreira. Muitos que já alcançam o valor proposto pelo governo, não terão nenhum aumento real em seus salários.

Por isso que nós professores, que estamos em plena Campanha Salarial, consideramos que esta proposta é um tapa na nossa cara, uma piada. Lembramos que a nossa luta é pelo cumprimento da Lei 11.738/08, onde o verdadeiro piso é de R$ 1.312,85 para as carreiras iniciais no cargo de 24h. Os 10% anunciado pelo governo de Minas não irá apagar os 15 anos de arrocho salarial que sofremos.

Não podemos aceitar esta afronta. Devemos avançar na nossa luta. Ainda está de pé o indicativo de greve por tempo indeterminado a partir do dia 8 de abril, votado na assembléia de professores realizada no dia 16 de março em Belo Horizonte. Como professores, devemos debater com os nossos colegas e votarmos a adesão de todas as escolas de nossa região. E mostrarmos que estamos juntos e fortes para a luta.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Manifestantes protestam na Via Dutra por melhorias em seu bairro

por Mariane Soma

Cerca de 100 moradores com cartazes iterditaram a VIA DUTRA no dia 20 de março entra 15h30 ate 17h impedindo a passagem por 15 minutos ate a chegada da polícia rodoviaria federal. Pedimos asfalto, iluminaçao e limpeza nas ruas. Um dos nossos objetivos foi que os carros e onibus da passaro marrom desviassem no nosso bairro. Nosso obejtivo nao foi atingido 100%, mas estamos felizdo na medida do possivel como planejado. Na entrada do club dos 500 haviam moradores com placas avisando do desvio a 1km e outros a 500m... Temos ido a duas semanas diretos na camara municipal com os moradores. Estarei na tribuna daqui duas semanas e o proximo passo depois desse sera o apitaço na porta da prefeitura. Nao vamos nos calar enqto o JUNIOR FILLIPO nao cumprir o que prometeu!